fbpx

Cooperativas pedem aumento de recursos para Plano Safra 21/22

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Um grande grupo de representantes de diversas cooperativas que representam produtores no Brasil, estiveram reunidas em Março, com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e com outros dirigentes do governo federal que estão realizando o planejamento do Plano Safra para o ano de 2021/2022, onde as liberações de verbas começam no mês de julho do ano de 2021, e vai até o mês de junho do ano de 2022.

Os integrantes das cooperativas levaram assuntos de muito interesse dos produtores rurais em todo o pais, e conversaram sobre as necessidades de fazer mudanças e adequações no plano de suporte do governo, onde deve ser considerado o novo cenário nacional e mundial, referente também a pandemia e a instabilidade da economia mundial e do dólar.

Essas demandas de todos os produtores rurais do brasil devem ser levadas de maneira formal para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para que os integrantes do governo possam decidir quais dessas medidas serão adotadas, e para que a verba destinada possa ser alterada. Dessa maneira já será definida oficialmente como será o suporte para os produtores rurais dentro do Plano Safra.

Reivindicações dos produtores para o Plano Safra 2021/2022

A reunião com os integrantes do governo e as cooperativas aconteceu de forma virtual, onde também estava presente o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Os representantes da agropecuária brasileira mostraram toda a apreensão que os produtores rurais tem, em relação aos cortes e também as reduções que está sendo feita no Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR).

As cooperativas levaram as demandas dos produtores rurais de todo o Brasil para o Plano Safra 21/22
As cooperativas levaram as demandas dos produtores rurais de todo o Brasil para o Plano Safra 21/22

De acordo com o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), o governo havia mostrado que o setor agropecuário deveria “se financiar”.

Nesse cenário, os líderes das cooperativas defenderam a importância que o crédito rural tem para o setor, e para tranquilizar os produtores rurais e também os profissionais envolvidos em toda a cadeia de produção que o setor agro gera, a ministra Tereza Cristina afirmou que o sistema não está ameaçado, e que na realidade, o governo está buscando melhorar a eficiência desse suporte, e ampliar a criação de ferramentas para esse fim. Como exemplo ela citou o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), onde são negociados as dívidas dos produtores rurais com empresas do setor, onde os bancos conseguem adiantar estes recebimentos.

Setor rural pede aumento nos recursos

As cooperativas demonstraram também que é necessário um aumento na liberação dos recursos financeiros destinados ao Plano Safra. O setor deve solicitar ao governo pelo menos R$ 250 bilhões para o ano 2021/2022. No plano atual referente aos anos 2020/2021, a projeção inicial foi de R$ 236,3 bilhões para custeio, comercialização, industrialização e investimentos do agronegócio, mas de acordo com o coordenador do ramo agropecuário da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Luiz Roberto Baggio, empresas e cooperativas estão demandando uma verba muito maior para o capital de giro de seus empreendimentos.

Agricultura quer R$ 15 bilhões para equalização
Agricultura quer R$ 15 bilhões para equalização

Baggio falou também que para a agricultura brasileira, precisaria na verdade de cerca de R$ 900 bilhões para custear os financiamentos do setor. “As cooperativas precisam de volume maior de recursos, especialmente de aporte nas linhas relacionadas a investimentos, para viabilizar a ampliação de agroindústrias e plantas”, ressaltou.

Cooperativas pedem atenção a pequenos e médios produtores

Esse debate que foi aberto nessa reunião com as cooperativas, foi conversado também que é necessário um suporte financeiro maior aos produtores rurais em tempos de crise, isso sem deixar de considerar a redução no orçamento público devido às mesmas condições instáveis causadas pela pandemia mundial.

Cooperativas pediram atenção especial para a agricultura familiar
Cooperativas pediram atenção especial para a agricultura familiar

Outro ponto importante que foi conversado na reunião, é a necessidade do setor em dar maior atenção a pequenos e médios produtores rurais brasileiros. Os representantes das cooperativas mostraram que a expectativa positiva deve ser alta, e que o governo defenda a importância dessas entidades, para priorizar pequenos e médios negócios do setor, principalmente em relação à agricultura familiar.

Gostou? Conta pra gente!